quinta-feira, setembro 17, 2009

Resenha: A REVOLTA DOS CANUDOS

A revolta de Canudos
resenha de LIELSON ZENI

O álbum da Escala Educacional conta uma das passagens mais surreais da história brasileira: um homem chamado Antonio Conselheiro, autoproclamado como um homem de Deus, chegou ao sertão bahiano e fundou a cidade de Bello Monte, para que ele e seus seguidores pudessem viver à parte da República que recentemente tinha se instituído no Brasil.
Bello Monte entrou pra a história como Canudos, e o sertão bahiano foi onde se aconteceu uma batalha com milhares de mortos. A história é interessantíssima. A figura de Conselheiro é instigante e intrigante. Não é preciso muito cuidado pra afirmar que o que aconteceu em Canudos foi um massacre.
É um excelente pressuposto pra uma história em quadrinhos. Em torno desse enredo, temos um roteirista muito competente, André Diniz (de 7 Vidas) e um talentoso desenhista, José Aguiar (Folheteen).
O roteiro de Diniz consegue condensar muito bem informações importantes, dar ritmo à história e ainda apresentar algumas homenagens a Euclides da Cunha (autor de Os sertões, primeiro livro sobre Canudos a ser publicado). Existe muita informação sobre o fato histórico e as páginas da publicação são poucas. Diniz consegue selecionar bem o que deve entrar, sem dar um nó na cabeça do leitor e sem prejudicar a narrativa.
A arte de José Aguiar é muito boa. Seu traço consegue se adaptar muito bem à necessidade de contar uma história, sem deixar de ser particular (dê uma olhada em Quadrinhofilia, pra entender o que eu digo). Outra virtude de Aguiar é ser um quadrinista de fato, não apenas um bom desenhista. Os enquadramentos das cenas, as transições entre quadrinhos, as expressões dos personagens, tudo é pensado pra contar a história. Mas sem deixar de serem painéis belíssimos.
O porém da edição fica por conta do formato miúdo e no número de páginas; por conta do primeiro, a arte de Aguiar fica menor; e por causa do segundo, deixamos de ler mais páginas de uma história interessante, muito bem contada.
É claro que o objetivo da editora é vender para as escolas e tentar listas de compra de livros do Governo Federal.
Mas o legal é que temos uma grande história em quadrinhos pra ler.

Um comentário:

Ermeson Silva disse...

Essa resenha é descritiva ou crítica?